Desastre total

São diversos os fatores que levam uma equipe de futebol ao caminho do insucesso, afinal, é preciso uma enorme incompetência aliada a um conjunto de erros para afundar um clube. Acredito que a gestão administrativa seja o principal desses motivos, basta analisarmos o histórico de times que sofreram duros rebaixamentos ao longo da trajetória, ou até outros que tiveram a sua falência decretada. Por trás destes trágicos momentos, existem presidentes, diretores, gestores e proprietários, que através de uma enorme incapacidade, deixam marcas que jamais são apagadas do currículo de uma agremiação, e logicamente da memória dos torcedores. Na atualidade, um tradicional clube da Terra da Rainha pode ser facilmente usado para exemplificar tudo isso, me refiro ao West Ham, que vive dias de extrema turbulência, e caminha a passos largos rumo à Championship League (segunda divisão inglesa).
Ocupando a 18ª colocação na Premier League com somente 9 pontos ganhos, o West Ham obtém um pífio aproveitamento de 27,3% no campeonato, colecionando o total de 2 vitórias, 3 empates e 6 derrotas em 11 partidas disputadas até aqui. No entanto, esta desastrosa campanha não me surpreende em nada, muito pelo contrário, a péssima performance dos Hammers já era mesmo esperada, digo isso porque na temporada passada, o time comandado pelo croata Slaven Bilic lutou com unhas e dentes para encerrar sua participação na Premier League 2016/17 apenas na 11ª posição da tabela, lembrando que a equipe brigou contra o rebaixamento durante a maior parte da competição. Por esta razão, muitos apostaram que a diretoria iria trocar de treinador no final da temporada, mas isso não aconteceu, Bilic permaneceu no comando técnico da equipe, e consequentemente a barca dos Hammers continuou afundando.

O drama dos Hammers teve início na temporada passada. De lá para cá, foram vexames atrás de vexames.
O drama dos Hammers teve início na temporada passada. De lá para cá, foram vexames atrás de vexames.

No final da temporada passada, o treinador Slaven Bilic disse que os reais motivos para o enorme insucesso dos Hammers, foram a inesperada saída do meia Dimitri Payet, uma das principais peças do conjunto londrino, que transferiu-se ao Olympique Marseille em plena janela de inverno europeu (janela de janeiro), além da falta de adaptação do West Ham ao estádio Olímpico de Londres, a nova casa do clube, que antes tinha como propriedade o mítico estádio Upton Park, popularmente chamado de Boleyn Ground. Acreditando fielmente nestas explicações, a diretoria decidiu manter o croata no comando do time, dando assim um verdadeiro tiro no próprio pé. Como não poderia deixar de ser, o planejamento elaborado por Bilic juntamente com os diretores do West Ham foi lamentável, tanto é que o possante Javier “Chicharito” Hernández e o pujante Pablo Zabaleta foram contratados pelos Hammers. Completaram a lista de reforços o goleiro Joe Hart e o meia-atacante Marko Arnautovic, sendo estes dois últimos, ótimas aquisições. Entretanto, perceba que o West Ham não trouxe um camisa 10, a maior carência da equipe segundo o próprio Bilic, que desde a saída de Payet, não repôs essa considerável perda.

O treinador Slaven Bilic foi demitido após dois anos e meio à frente do West Ham.
O treinador Slaven Bilic foi demitido após dois anos e meio à frente do West Ham.

Como citei anteriormente, é fato que uma péssima gestão leva um clube ao caminho do insucesso, não à toa, mesmo depois de investir cerca de 40 milhões de libras na última janela de transferências, o West Ham está na zona do descenso, ou seja, caso a Premier League terminasse hoje, os Hammers estariam automaticamente rebaixados à Championship League. A gota d’água para a diretoria do conjunto londrino demitir Slaven Bilic foi a goleada sofrida para o Liverpool por 4 a 1 no sábado passado, em pleno estádio Olímpico de Londres. Desta maneira fica nítido que foi preciso sofrer um humilhante revés depois de dois anos e meio, para que o presidente David Sullivan enxergasse que o técnico croata não era a opção certa para comandar o time. E o show de incompetência administrativa do West Ham parece realmente não ter fim, isso porque depois dos adeptos enfim se aliviarem com a saída de Slaven Bilic, Sullivan anunciou oficialmente na manhã desta terça-feira a contratação do escocês David Moyes, gerando com isso uma profunda insatisfação em todos os torcedores do West Ham espalhados pelo mundo.

Por incrível que pareça, David Moyes é o novo treinador do West Ham. A impressão que passa, é que para ser técnico dos Hammers, você precisa ter realizado péssimos trabahos recentes.
Por incrível que pareça, David Moyes é o novo treinador do West Ham. A impressão que passa, é que para ser técnico dos Hammers você precisa ter realizado péssimos trabalhos recentemente.

O que podemos esperar do West Ham, agora com David Moyes no comando? A resposta é óbvia, o rebaixamento. Para quem não se lembra, David Moyes foi o mesmo que dirigiu o Everton por mais de uma década (2002 a 2013), porém ganhou maior notoriedade ao assumir o Manchester United, indicado pelo então treinador Alex Ferguson, que se aposentou no final da temporada 2012/13. Em contrapartida, apesar de ter chegado ao Old Trafford rotulado como o sucessor do conterrâneo Alex Ferguson, Moyes foi demitido logo em seu primeiro ano à frente dos Red Devils, após deixar o time na modesta 7ª posição da Premier League 2013/14. Por conseguinte, o escocês de 54 anos, aceitou o desafio de treinar a Real Sociedad, e por pouco não rebaixou o conjunto basco, deixando a equipe na 15ª posição da La Liga 2014/15, sendo demitido em virtude deste trágico trabalho. De volta à Inglaterra (no ano passado), Moyes acertou sua ida ao Sunderland, ocupando o lugar de Sam Allardyce, e foi nos Black Cats que o treinador obteve o primeiro rebaixamento de sua carreira. Incrédulos, centenas de torcedores do West Ham invadiram as redes sociais do clube, expressando total repúdio pela escolha do presidente David Sullivan em trazer David Moyes, considerado por todos um fiasco. Resta agora, os Hammers rezarem bastante para que um milagre aconteça pelos lados do estádio Olímpico de Londres e o descenso não venha a se concretizar no final do campeonato. O primeiro compromisso do West Ham com o novo comandante, será no dia 19 contra o Watford, no Vicarage Road.

 

Deixar um comentário

Menu