Dos alpes à Rússia

Conhecida mundialmente por serem os inventores do canivete, por produzirem deliciosíssimos chocolates, e logicamente pelos seus maravilhosos alpes, visitados principalmente no inverno, por turistas e esquiadores do mundo todo, a Suíça também vem ganhando cada vez mais notoriedade no futebol, tanto é, que na tarde deste domingo a La Nati carimbou seu passaporte rumo à Rússia em 2018, após eliminar a Irlanda no Norte na repescagem das Eliminatórias da Copa, garantindo pela quarta vez consecutiva a sua a classificação a um Mundial.
O desempenho da Suíça nas Eliminatórias europeias já nos davam mostras de que a seleção comandada pelo treinador Vladimir Petkovic tinha totais condições de garantir uma vaga na Copa do Mundo da Rússia 2018. Isso porque os suíços encerraram sua participação na liderança do grupo B do torneio ao lado de Portugal, atual campeão europeu, com 27 pontos ganhos, deixando para trás os modestos selecionados da Hungria, Ilhas Faroe, Letônia e Andorra. Contabilizando 9 vitórias e apenas 1 derrota em dez jogos disputados, a Suíça obteve uma excelente performance de 90% de aproveitamento na competição, no entanto, o saldo de gols empurrou os suíços para a vice-posição na tabela, e consequentemente deu a classificação aos lusitanos (28 gols de saldo dos portugueses contra 16 dos suíços). Com isso, a La Nati foi obrigada a disputar a temível repescagem, ou seja, seria a última oportunidade do time de Vladimir Petkovic buscar a tão sonhada vaga para a Copa da Rússia. No sorteio, os suíços se depararam com a vice-colocada do grupo C, Irlanda do Norte, portanto, 180 minutos separavam a Suíça do Mundial do ano que vem.

blog
A atual geração da Suíça é com certeza uma das melhores da história da seleção helvética.

O jogo de ida diante dos norte-irlandeses, foi realizado na quinta-feira passada em Balfast, na Irlanda do Norte. Apesar do total favoritismo, a Suíça precisou suar a camisa para derrotar os britânicos, e detalhe, o gol dos suíços só aconteceu devido a um erro absurdo do árbitro romeno Ovidiu Hategan, que marcou um pênalti inexistente aos 15 minutos da segunda etapa. Na cobrança da penalidade, o lateral-esquerdo Ricardo Rodríguez garantiu a vitória da La Nati por 1 a 0.
Já no jogo de volta, disputado na tarde de ontem (domingo), na Basileia, a Suíça teve chances claríssimas para liquidar o adversário, porém o atacante Haris Seferovic conseguiu a façanha de desperdiçar todas elas. Para o delírio dos helvéticos, nos acréscimos da partida, Ricardo Rodríguez novamente consagrou-se herói, isso porque o camisa 13 suíço afastou uma bola em cima da linha, após uma boa cabeçada de Jonny Evans. Assim, o empate sem gols qualificou a La Nati para a Copa do Mundo da Rússia, sendo essa, a sua décima Copa ao longo da história.

Com um gol no jogo de ida da repescagem da Copa 2018, e uma bola salva nos acréscimos do jogo de volta, Ricardo Rodríguez merece até um busto na Basileia.
Com um gol marcado no jogo de ida contra a Irlanda do Norte, e uma bola salva nos acréscimos do jogo de volta, Ricardo Rodríguez foi o salvador da Suíça nas repescagens, e merece até um busto no St. Jakob-Park.

Muitas pessoas podem até contestar a classificação da Suíça para a Copa do Mundo da Rússia 2018, afinal, um erro grotesco de arbitragem garantiu os suíços no Mundial. Em contrapartida, a superioridade dos pupilos de Vladimir Petkovic foi nítido nos dois confrontos frente a Irlanda do Norte, isso mesmo apesar do placar agregado ter ficado apenas no 1 a 0. Os pilares da equipe continuam sendo os jogadores campeões mundiais sub-17 em 2009, na Nigéria. Me refiro aos atletas Granit Xhaka, Ricardo Rodríguez e Haris Seferovic, do Arsenal, Milan e Benfica, respectivamente. Além deles, o meia Xherdan Shaqiri, do Stoke City, e o experiente lateral-direito Stephan Lichtsteiner, da Juventus, completam a lista dos principais nomes da La Nati na atualidade. Por último jamais poderíamos deixar de mencionar o goleiro do Borussia Monchengladbach, Yann Sommer, sucessor de Diego Benaglio na seleção helvética, e o jovem Breel Embolo, de 20 anos de idade, que defende as cores do Schalke 04, e é considerado a maior revelação do futebol suíço nos últimos anos.

O talentoso meia Xherdan Shaqiri marcou o gol mais bonito da Eurocopa 2016, após um voleio lindíssimo na partida contra a Polônia.
Com um voleio lindíssimo na partida contra a Polônia, válida pelas oitavas de final da Eurocopa 2016, o talentoso meia Xherdan Shaqiri marcou o gol que foi eleito o mais bonito do torneio europeu.

Outra curiosidade em relação a seleção da Suíça, é que um suíço-brasileiro está sendo constantemente convocado pelo técnico Vladimir Petkovic, trata-se do zagueiro Léo Lacroix, que atua no Saint-Étienne, por esse motivo não há como negar que o selecionado vermelho tem um pouquinho de verde e amarelo no sangue. Frequentemente jogando no esquema 4-2-3-1, o ponto forte da equipe do treinador Vladimir Petkovic, que já comanda a seleção da Suíça há três anos, é o poderoso setor defensivo do time, que foi vazado somente em quatro ocasiões nos últimos dez jogos. Como citei anteriormente, esta será a quarta participação consecutiva dos suíços em Copas do Mundo, um fenômeno que não ocorria desde o Mundial de 1934. Além disso, nos últimos 14 anos, a Suíça só não disputou a edição de 2012 da Eurocopa, e chegou na fase de oitavas de final em duas Copas (Alemanha 2006 e Brasil 2014) neste período. Não à toa, os helvéticos ocupam a 11ª posição no ranking internacional da FIFA, permanecendo à frente de tradicionais seleções como Inglaterra, Itália, México, Uruguai e Holanda. Por essas e outras, é correto afirmar que além de ser uma grande fabricante de chocolates e de canivetes, a Suíça é também uma das principais seleções europeias da atualidade.

 

Deixar um comentário

Menu