Superando as expectativas

O dia 11 de julho de 2018 ficará para sempre marcado na memória dos torcedores ingleses, afinal, foi nesta data que a Inglaterra foi duramente eliminada pela Croácia nas semifinais da Copa do Mundo. Mas o revés frente os croatas não apagou em nada a ótima imagem deixada pela Inglaterra no Mundial, imagem essa, que só foi resgatada graças ao excelente trabalho dos comandados de Gareth Southgate na Rússia.

Fazendo a lição de casa

A Inglaterra desembarcou na Rússia para disputar a Copa do Mundo com um único objetivo em mente, avançar da fase de grupos. Esta era a meta estipulada pelos ingleses para a sua seleção, acostumada a colecionar vexames em competições internacionais, basta lembrarmos do Mundial 2014, realizado no Brasil, quando os inventores do futebol foram eliminados ainda na primeira fase. Todavia, como o English Team estava situado no grupo G do torneio, ao lado de Bélgica, Tunísia e Panamá, esta missão tornou-se mais tranquila, visto que tunisianos e panamenhos são donos de selecionados bastante limitados tecnicamente.

Desta maneira, os Três Leões fizeram bem a lição de casa, vencendo tanto a Tunísia (2 x 1) quanto o Panamá (6 x 1) nas duas primeiras rodadas da Copa. Em seguida, no último jogo válido pela primeira fase da competição, a Inglaterra teve a indigesta Bélgica pela frente, porém como ingleses e belgas já estavam classificados, ambos realizaram um “jogo de comadres”, que terminou com a vitória dos Diabos Vermelhos por 1 a 0. Consequentemente, o English Team encerrou a sua participação na fase de grupos ocupando o segundo posto da tabela com seis pontos ganhos, assim, eles iriam enfrentar a Colômbia, líder do grupo H, nas oitavas de final.

Os ingleses voltaram a acreditar na seleção inglesa.
Os torcedores ingleses enfim voltaram a acreditar em sua seleção.

Brilhando na segunda fase

No confronto contra os colombianos, o empate no tempo normal (1 a 1) e na prorrogação (0 x 0), levou a partida para os pênaltis, e foi aí que brilhou a estrela do jovem goleiro Jordan Pickford, que ao defender a cobrança de Carlos Bacca, garantiu a vitória da Inglaterra. Já nas quartas de final, a equipe de Gareth Southgate não encontrou tantas dificuldades, pois com os gols de Harry Maguire e Dele Alli, ela derrotou a Suécia por 2 a 0. Esta boa campanha, classificou os ingleses às semifinais da Copa do Mundo, algo que não acontecia desde o Mundial de 1990, há exatos 28 anos.

Nesta altura da competição, todos os ingleses obviamente já sonhavam em ver o English Team na final da competição, até porque a última decisão disputada pela Inglaterra, ocorreu somente na Copa de 1966, justamente no ano em que ela sediou o torneio e o venceu. No entanto, tudo isso foi por água abaixo na tarde de ontem em Moscou, pois a Inglaterra sofreu uma dolorosa derrota para a Croácia por 2 a 1, depois de empatar o jogo nos noventa minutos por 1 a 1.

O antes questionado Gareth Southgate, tornou-se unanimidade no comando do English Team.
Antes questionado, Gareth Southgate tornou-se unanimidade no comando do English Team.

Futuro promissor

Apesar da eliminação a um passo da final, a Copa da Rússia foi de suma importância à Inglaterra, dado que ela resgatou de maneira surpreendente o seu prestígio junto ao mesmo povo que havia deixado de torcer calorosamente para o English Team há anos. O maior responsável pela reconstrução da seleção, foi o treinador Gareth Southgate, que apesar de ter sido bastante questionado por conta de sua idade (44 anos) e falta de experiência, montou um time extremamente competitivo, que valorizava a posse de bola, apresentava qualidade na saída de jogo, e sufocava os adversários através de uma marcação alta e intensa.

Para quem não sabe, o conjunto inglês é o terceiro mais jovem do Mundial 2018, portanto, a sólida base montada por Gareth Southgate tem um futuro mega promissor pela frente. Do time titular da Inglaterra, apenas o lateral-esquerdo Ashley Young dificilmente terá condições de disputar a Copa do Mundo do Qatar em 2022, de resto, quase todos os demais jogadores estarão com trinta ou menos anos de idade, como é o caso de Harry Kane (24 anos), Dele Alli (22 anos), Jesse Lingard (25 anos), Raheem Sterling (23 anos), Harry Maguire (25 anos), John Stones (24 anos), Eric Dier (24 anos), Jordan Pickford (24 anos), entre outros.

Vale ressaltar ainda, que promessas como Ryan Sessegnon, Phil Foden e Jadon Sancho surgiram recentemente no mundo da bola com grandes perspectivas de se tornarem craques. Por essas e outras, o bom trabalho de Gareth Southgate deixou a vergonhosa eliminação sofrida para a Islândia nas oitavas de final da Eurocopa 2016 totalmente no passado, abrindo um caminho próspero a essa nova geração inglesa. Como a Euro 2020 não terá um país sede, a final do torneio será realizada no mítico estádio de Wembley, ou seja, está aí uma boa oportunidade para a Inglaterra de Gareth Southgate erguer um troféu após longos e árduos anos, diante de sua própria torcida.

Deixar um comentário

Menu