Leonardo Jardim em apuros

O treinador Leonardo Jardim apresentou o seu cartão de visitas ao mundo da bola em 2017, ano em que o treinador português conseguiu a façanha de conduzir o Monaco ao título da Ligue 1, e de quebra, levou o time do principado às semifinais da Champions League 2016/17. Devido a estes feitos, o jovem técnico de 44 anos foi assediado por uma série de clubes do Velho Continente, porém mesmo com diversas propostas em mãos, ele decidiu permanecer no comando do conjunto monegasco.

Embora o Monaco tenha sido vice-campeão francês na edição anterior da Ligue 1, a equipe do principado decepcionou na Champions League 2017/18, sendo desclassificada ainda na fase de grupos do torneio continental. Além disso, os monegascos sofreram uma dura derrota para o PSG na decisão da Copa da Liga Francesa por 3 a 0, enquanto pela Copa da França, eles sucumbiram precocemente diante do Lyon na segunda fase da competição (3 x 2). Com isso, os pupilos de Leonardo Jardim passaram a temporada passada em branco.

Para piorar a situação, o início dos vice-campeões franceses na atual temporada é realmente preocupante, visto que os monegascos acumulam seis jogos seguidos sem vitórias pela Ligue 1, colecionando três derrotas, três empates e apenas um triunfo no campeonato. Em virtude deste péssimo desempenho, o Monaco permanece na zona da degola (18ª colocação), obtendo somente 28,6% de aproveitamento na liga. Para se ter uma ideia, a única vitória conquistada pelo clube do principado na competição, ocorreu na 1ª rodada, quando na ocasião, o esquadrão de Leonardo Jardim derrotou o Nantes por 3 a 1, lembrando que os canários realizam uma campanha desastrosa, ocupando a 19ª posição na tabela.

Em sete jogos disputados pela Ligue 1 até aqui, o Monaco marcou apenas oito gols e foi vazado em nove oportunidades.
Em sete jogos disputados pela Ligue 1, o Monaco marcou apenas oito gols e foi vazado em nove oportunidades até aqui.

Obviamente, este início turbulento do Monaco está deixando tanto a diretoria quanto os torcedores monegascos de cabelos em pé, afinal, o futebol envolvente apresentado pela equipe de Leonardo Jardim literalmente desapareceu. Hoje o que vemos em campo é um time sem alma, desorganizado, composto por um frágil setor defensivo, ao passo que o ofensivo apresenta-se bastante ineficaz. Tudo isso ficou evidente no revés do Monaco frente o Angers pelo placar mínimo, na rodada passada da Ligue 1, em pleno estádio Luís II.

Ao analisarmos a curta carreira do treinador Leonardo Jardim, constatamos que este é o pior começo de temporada do técnico português ao longo de sua trajetória fora das quatro linhas. Este mal momento supera até o trágico início do Beira-Mar na temporada 2010/11, que naquela ocasião era comandado justamente por Jardim, e somou sete pontos nas sete primeiras rodadas da Segunda Divisão do Campeonato Português, registrando o total de 1 vitória, 4 empates e 3 derrotas nestas partidas.

O melhor início de trabalho de Leonardo Jardim, foi no Olympiacos, na temporada 2012/13, quando na época, o treinador obteve sete vitórias nos sete primeiros jogos disputados pela equipe grega.
O melhor início de trabalho de Leonardo Jardim, foi pelo Olympiacos na temporada 2012/13, quando na época, o treinador obteve sete vitórias nos sete primeiros jogos disputados à frente da equipe grega.

Desde que Leonardo Jardim chegou ao Monaco em 2014, ele nunca viveu uma fase tão penosa quanto a atual. Abaixo, elaboramos um breve comparativo de todos os inícios de Leonardo Jardim á frente do conjunto do principado, até a sétima rodada da Ligue 1:

2014/15: 10 pontos (3 vitórias, 1 empate e 3 derrotas)
2015/16: 11 pontos (3 vitórias, 2 empates e 2 derrotas)
2016/17: 16 pontos ( 5 vitórias, 1 empate e 1 derrota)
2017/18: 18 pontos (6 vitórias e 1 derrota)
2018/19: 6 pontos (1 vitória, 3 empates e 3 derrotas)

Como não poderia deixar de ser, Leonardo Jardim segue em busca de uma recuperação, porém ele tem encontrado bastante dificuldade, visto que essa é uma situação completamente nova em sua passagem pelo Monaco. Acredito que a excessiva venda de jogadores nos últimos dois anos, tenha sido o motivo causador da queda de rendimento do Monaco, até porque repor as saídas de atletas como Kylian Mbappé, Benjamin Mendy, Bernardo Silva, Timoué Bakayoko, João Moutinho, Thomas Lemar, Fabinho, Keita Baldé e Rachid Ghezzal, certamente não é uma tarefa nada fácil. Na entrevista coletiva pós-derrota para o Angers, o abatido treinador português deixou bem claro que não jogará a toalha:

"Estou aqui há cinco anos e respeitei sempre o meu contrato. Prolonguei o meu vínculo, era essa
a minha vontade numa altura em que eu poderia ter saído e não é agora que vou fugir. Estou aqui 
para dar o meu melhor. Toda a torcida está desiludida porque temos jogado pelos primeiros lugares
nas últimas temporadas. Este clube é um diferente, pois não jogamos diante de 50 mil pessoas, não
temos 300 torcedores na porta do centro de treinamento nos cobrando. No Monaco, essa pressão
tem de vir de dentro."

O próximo compromisso do Monaco será na tarde desta sexta-feira (28), uma vez que os monegascos visitarão o Saint-Étienne, 6º colocado na Ligue 1, pela abertura da 8ª rodada da liga francesa. No caso de uma vitória, o time do principado saltaria para a 12ª posição na tabela, saindo assim da temível zona de rebaixamento. No entanto, uma derrota poderia deixar a equipe no penúltimo posto da classificação, portanto, já passou da hora dos comandados de Leonardo Jardim começarem a reagir, antes que o tempo avance e depois seja tarde demais.

 

 

 

 

Deixar um comentário

Menu