À beira do colapso

No dia 15 de novembro de 2015, França e Alemanha realizaram uma partida amistosa em Paris, que terminou com o triunfo dos anfitriões por 2 a 0. Entretanto, este encontro ficou marcado eternamente na memória de franceses e alemães, pois por volta do vigésimo minuto de jogo ouviu-se uma grande explosão do lado de fora do estádio. Infelizmente foi apenas um de uma série de atentados terroristas cometidos pelo Estado Islâmico naquela noite.

Ontem (16), quase três anos após a fatídica noite do dia 15 de novembro de 2015, franceses e alemães voltaram a se encontrar no mesmo palco, o Stade de France, e mais uma vez, a França saiu de campo com a vitória sobre os alemães, porém nesta ocasião, de virada, por 2 a 1, pela 4ª rodada da Liga das Nações da UEFA. Curiosamente, até os treinadores eram os mesmos, dado que tanto Didier Deschamps quanto Joachim Low, comandaram as seleções em ambas partidas.

Todavia, a diferença é que em 2015 a Alemanha era a atual campeã do mundo e vivia um momento mágico, enquanto a França passava por um processo de reformulação. Por incrível que pareça, na atualidade, as coisas mudaram totalmente de lado, visto que a França ergueu a taça da Copa do Mundo de 2018 e vive uma fase realmente esplendorosa, ao contrário da Alemanha, que está à beira de um verdadeiro colapso.

Em onze jogos disputados este ano, a Alemanha contabiliza seis derrotas, dois empates e três vitórias.
Em onze jogos disputados este ano, a Alemanha contabiliza seis derrotas, dois empates e três vitórias.

Aliás, os comandados de Joachim Low passam por um momento extremamente delicado, tanto é, que o gol marcado por Toni Kroos (pênalti) no duelo contra a França foi o primeiro tento dos alemães na Liga das Nações da UEFA, lembrando que eles haviam empatado com os franceses por 0 a 0 em Munique, pela partida de estreia no torneio, à medida que no jogo seguinte, eles sofreram um duríssimo revés por 3 a 0 para a Holanda em Amsterdam.

Vale ressaltar ainda, que com a derrota de ontem diante dos Les Bleus, os tetracampeões mundiais se afundaram ainda mais na lanterna do grupo A da 1ª divisão da competição, que tem a França na liderança com sete pontos, a Holanda na vice-posição com tês pontos, ao passo que a Alemanha segue com um único ponto. Desta maneira, a Mannschaft corre um sério risco de ser rebaixada para a segunda divisão da Liga das Nações da UEFA.

11,1%, esse é o aproveitamento da Alemanha na Liga das Nações da UEFA. Os alemães colecionam um empate e duas derrotas em três partidas realizadas pelo torneio.
11,1%, esse é o aproveitamento da Alemanha na Liga das Nações da UEFA. Os alemães colecionam um empate e duas derrotas em três partidas realizadas pelo torneio.

Desde que Joachim Low assumiu o comando da Mannschaft em 2006, há doze anos, ele nunca viveu um momento tão turbulento como o atual, não à toa, o treinador de 58 anos de idade está prestes a perder o emprego. A propósito, existe uma enorme pressão por parte da mídia e até mesmo de torcedores alemães, para a saída de Low da seleção, logo, quem está segurando o técnico no cargo é a Federação Alemã de Futebol (DFB). O comandante do Liverpool, Jurgen Klopp, tem a preferência popular para ser o sucessor de Joachim Low.

O drama da Alemanha teve início depois da Copa do Mundo de 2018, quando os tetracampeões mundiais sucumbiram precocemente na fase de grupos do torneio, após perderem do México (1 x 0) e da já eliminada Coréia do Sul (2 x 0). A única vitória da equipe de Joachim Low no torneio, foi sobre a Suécia por 2 a 1, graças ao gol de falta de Toni Kroos no último minuto da partida. Devido a essa péssima campanha, os alemães encerraram a sua participação na lanterna do grupo F do Mundial da Rússia, com apenas dois gols marcados e quatro sofridos na competição.

Desde 1938, a Alemanha não era eliminada ainda na fase de grupos de uma Copa do Mundo. Isso prova que o Mundial de 2018 foi um pesadelo na vida dos alemães.
Desde 1938 a Alemanha não era eliminada ainda na fase de grupos de uma Copa do Mundo. Os jornais alemães manifestaram a sua insatisfação pela péssima campanha da seleção nos gramados russos.

O objetivo da Federação Alemã de Futebol em manter Joachim Low no comando da seleção depois do fiasco no Mundial de 2018 foi motivada pelo fato do treinador já ter realizado uma reformulação no selecionado alemão após a Copa de 2006, lembrando que através daquele excelente trabalho de renovação, Low montou um poderosíssimo esquadrão composto por nomes como Manuel Neuer, Thomas Muller, Mario Gotze, Mats Hummels, Jérôme Boateng, Mesut Ozil e Toni Kroos, que juntos, levaram a Alemanha à conquista do tetracampeonato mundial em 2014 no Brasil.

Diante desta trágica realidade, restou a Alemanha torcer para um tropeço da Holanda contra a França, para que em seguida, ela tenha a oportunidade de derrotar os holandeses por uma larga vantagem de gols na última rodada da fase de grupos da Liga das Nações da UEFA, e assim, avançar de fase. No entanto, caso isso não aconteça, a Mannschaft será rebaixada à segunda divisão do torneio continental, algo que seria mais uma mancha para a seleção quatro vezes campeã do mundo, e certamente, poderia significar o fim da era Joachim Low no selecionado alemão. O confronto decisivo da Alemanha frente a Holanda, acontecerá no dia 19 de novembro em Gelsenkirchen, isto é, até o final do ano saberemos qual será o desfecho desta história. Aguardemos!

 

 

Deixar um comentário

Menu