Dez jogos para salvar a temporada

Ao contrário de Real e Atlético, os dois gigantes da capital espanhola, o Rayo Vallecano, modesto clube de Madrid, segue travando uma intensa luta para livrar-se do rebaixamento na La Liga, lembrando que restam apenas dez jogos para o término da competição.

Rayo Vallecano de Madrid, ou simplesmente, Rayo, clube fundado no ano de 1924 (94 anos), no bairro de Vallecas, situado entre o sul e o leste de Madrid. Aliás, este nobre bairro ganhou imensa notoriedade em virtude da intensa luta de seus habitantes contra a ditadura de Franco, por esta razão, ele ficou conhecido na Espanha inteira como “A Pequena Rússia”. No final da década de 70, os franjirrojos receberam o apelido de “Mata Gigantes”, por conta de alguns triunfos sobre os grandes times espanhóis. De resto, o Rayo faturou apenas o título da segunda divisão na temporada passada.

Depois de regressar à La Liga, após dois longos anos na segunda divisão, o Rayo Vallecano tinha como principal objetivo permanecer na elite do futebol espanhol. Entretanto, todo o esforço dos franjirrojos está sendo em vão até aqui, pois desde o início do campeonato, o Rayo manteve-se fora da zona do rebaixamento apenas em 4 das 28 rodadas disputadas. Aliás, os comandados de Míchel estrearam na competição levando uma sonora goleada do Sevilla por 4 a 1 em pleno estádio de Vallecas, ou seja, o time já dava indícios de que teria uma árdua temporada pela frente.

O Rayo Vallecano é dono da pior defesa da La Liga com 51 gols sofridos em 28 partidas disputadas até o momento, registrando uma média de 1,82 gols por jogo.
O Rayo Vallecano é dono da pior defesa da La Liga com 51 gols sofridos em 28 partidas, registrando uma média de 1,82 gols por jogo.

Atualmente, o Rayo Vallecano ocupa a penúltima posição na tabela da La Liga (19ª colocação) com míseros 23 pontos, contabilizando 6 vitórias, 5 empates e 17 derrotas em 28 jogos, obtendo 27,4% de aproveitamento através desta pífia campanha. Desta maneira, o Rayo continua à frente apenas do Huesca, lanterna da competição (22 pontos), e a dois pontos do Celta, 18º colocado, que soma 25. Vale ressaltar ainda, que a distância para Valladolid e Villarreal, as duas primeiras equipes fora da zona do rebaixamento, já é de seis pontos, algo que preocupa demasiadamente os franjirrojos.

Curiosamente, o time de Vallecas até chegou a esboçar uma reação no campeonato, quando conseguiu ficar da 17ª a 21ª rodada sem sofrer uma única derrota, acumulando quatro vitórias e um empate neste período. Contudo, logo após esta incrível série de resultados positivos, o Rayo literalmente sucumbiu, tanto é, que de lá para cá, ele perdeu as sete partidas seguintes diante de Leganés (2 x 1), Espanyol (2 x 1), Atlético Madrid (1 x 0), Getafe (2 x 1), Girona (2 x 0), Barcelona (3 x 1) e Villarreal (3 x 1), respectivamente.

Com o time na zona do rebaixamento e vindo de sete derrotas seguidas, o treinador Míchel, campeão da segunda divisão com o Rayo Vallecano na temporada passada, foi demitido pela diretoria.
Com o time na zona do rebaixamento e vindo de sete derrotas seguidas, o ídolo rayista, Míchel, campeão da segunda divisão com o Rayo Vallecano na temporada passada, foi demitido pela diretoria.

O revés sofrido no jogo contra o Villarreal, determinou a queda do treinador Míchel, que já vinha sofrendo uma enorme pressão em decorrência da sucessão de maus resultados. O novato técnico de 43 anos de idade, esteve no comando da equipe em 89 oportunidades, colecionando o total de 34 vitórias, 23 empates e 32 derrotas nestes quase dois anos de trabalho (46,82% de aproveitamento), tendo como maior feito durante esta passagem, a inédita conquista do título da segunda divisão na última temporada. Deste modo, Míchel, que vestiu a camisa do Rayo Vallecano em mais de 300 jogos na época em que ainda era atleta profissional, escreveu mais um lindo capítulo no clube, também fora das quatro linhas.

A saída de Míchel não foi mera coincidência, isso porque a diretoria rayista tem como prioridade contratar Paco Jémez, outro grande símbolo do clube. Para quem não se recorda, Paco Jémez  trabalhou no Rayo Vallecano entre os anos de 2012 a 2016, e ganhou o rótulo de “louco” por armar a sua equipe de maneira extremamente ousada. Inclusive, foi justamente sob o seu comando, que os franjirrojos encerraram a edição 2012/13 da La Liga no oitavo posto da tabela, sendo esta, a melhor participação do Rayo na história do torneio até hoje.

No entanto, o último rebaixamento do Rayo Vallecano, em 2016, foi com Paco Jémez regendo o time no banco de reservas, porém este triste fato não manchou em nada a história do treinador junto ao clube e a torcida. Os nomes de Julio Velázquez, ex-Udinese, e Luis Milla, que estava na seleção da Indonésia, também estão dentre os prediletos da diretoria, que por sua vez, espera definir nesta semana quem será o novo comandante da equipe. Mas ao que tudo indica, o salário, que era o maior empecilho para o Rayo fechar com Paco Jémez, já está acertado, logo, o regresso do eterno ídolo rayista à Vallecas está realmente próximo de se concretizar.

Deixar um comentário

Menu