Centenário Inesquecível

A comemoração do centenário do Valencia não poderia ter sido melhor aos Ches, afinal, após longos onze anos na fila, o conjunto valenciano conseguiu a façanha de quebrar este jejum de títulos ao derrotar o poderoso Barcelona, na grande decisão da Copa do Rei.

Seria uma tremenda injustiça o Valencia passar mais uma temporada em branco, isso porque o progresso da equipe comandada por Marcelino García Toral é notório, basta analisarmos o desempenho dos valencianos nas competições disputadas, a começar pela Europa League, torneio este, em que os Morcegos foram eliminados pelo Arsenal nas semifinais, ou seja, eles estiveram a um passo da final. Já pela La Liga, o Valencia teve um início bastante irregular, todavia, depois de realizar um excelente segundo turno, os Ches garantiram a 4ª posição na tabela do campeonato, carimbando assim, a sua vaga na próxima edição da Champions League.

Mas foi através da Copa do Rei, que os Morcegos realmente coroaram a ótima temporada realizada, porém a caminhada do Valencia rumo ao título não foi nada fácil, visto que o time precisou superar as equipes do Ebro, Sporting Gijón, Getafe e Betis, para assim, chegar na tão sonhada final da competição. Entretanto, na última e decisiva partida da Copa do Rei, os valencianos teriam pela frente o indigesto Barcelona, atual bicampeão espanhol, e que estava em busca do pentacampeonato do torneio. Vale ressaltar ainda, que nesta década, os Ches haviam derrotado os catalães somente em duas oportunidades, e permaneciam há exatos nove compromissos sem vencer o Barça.

Desde que chegou ao Valencia em 2017, o técnico Marcelino García Toral fez uma verdadeira revolução na equipe, conduzindo-a novamente ao caminho das vitórias.
Desde que chegou ao Valencia em 2017, o técnico Marcelino García Toral comandou a equipe em 107 jogos, colecionando o total de 55 vitórias, 28 empates e 24 derrotas, obtendo assim, 60,1% de aproveitamento.

Diante deste retrospecto totalmente desfavorável, o Valencia desembarcou na Andaluzia para enfrentar o Barcelona. Como não poderia deixar de ser, a decisão da Copa do Rei foi bastante intensa e disputada, haja vista a enorme rivalidade existente entre valencianos e catalães. Embora o Barcelona tenha sido superior no quesito posse de bola (78% a 22%), o Valencia aproveitou melhor as suas oportunidades, e através dos gols de Kevin Gameiro e Rodrigo, aos 21 e 33 minutos do primeiro tempo, respectivamente, abriu uma boa vantagem no placar, tanto é, que o tento de Lionel Messi, aos 28 minutos da segunda etapa, não foi suficiente para o Barça levar a decisão à prorrogação.

Desta maneira, com o resultado final de 2 a 1 no marcador, os valencianos deram a volta olímpica no estádio Benito Villamarín após onze anos sem títulos, lembrando que a última conquista do Valencia, havia sido a própria Copa do Rei, na temporada 2007/08. Aliás, este triunfo teve um sabor especial ao técnico Marcelino García Toral, que conseguiu derrotar o Barcelona pela primeira vez ao longo de sua carreira como treinador. Para se ter uma ideia, nos vinte duelos contra o Barça até então, o comandante de 53 anos de idade acumulava o montante de 14 derrotas e seis empates, portanto a primeira vitória de Marcelino sobre o algoz catalão veio na melhor hora possível.

No domingo, um dia após a conquista da Copa do Rei, o Valencia comemorou diante de sua torcida, que lotou o estádio Mestalla, a incrível conquista da Copa do Rei.,
Ao derrotar o Barcelona por 2 a 1, o Valencia ergueu a taça da Copa do Rei pela oitava vez ao longo da história.

Na época em que chegou ao Valencia em 2017, o técnico Marcelino García Toral encontrou o time literalmente aos cacos, não à toa, os Ches não ficaram posicionados nem mesmo entre os dez primeiros colocados nas edições 2015/16 (11º lugar) e 2016/17 (12º lugar) da La Liga. Por esta razão, Marcelino realizou uma série de mudanças no elenco valenciano, dispensando dezenas de atletas para contratar mais de uma dúzia de reforços. E foi exatamente desta forma, que o técnico recolocou o Valencia novamente nos trilhos, classificando-o para a Champions League logo de cara, e conquistando a Copa do Rei já em seu segundo ano à frente da equipe.

Diante destas circunstâncias, é nítido que Marcelino García Toral é um dos principais responsáveis pelo resgate do prestígio valenciano. Sabendo disso, a diretoria do clube espanhol já estuda a possibilidade de estender o contrato do treinador que é válido até 2020, para 2022. Todos estes aspectos, contribuíram para que o técnico asturiano criasse uma enorme identificação com os torcedores do Valencia, tal qual Diego Simeone construiu com o Atlético Madrid, Jurgen Klopp com o Liverpool, e Mauricio Pochettino com o Tottenham. Emocionado, Marcelino não escondeu a sua emoção após a conquista da Copa do Rei, confira:

"O futebol é assim. O ano passado foi magnífico, aí nesta temporada começamos mal com aquele
sofrimento, e esses jogadores unidos com a torcida, me deram a oportunidade de ganhar esse 
título. Graças aos atletas, a torcida, ao corpo técnico e a minha família, sou o homem mais feliz do
mundo", disse o técnico ainda no gramado.

Após comemorarem o centenário do clube erguendo o troféu da Copa do Rei, todo o plantel do Valencia irá tirar merecidas férias, ao passo que a diretoria, juntamente com o técnico Marcelino García Toral, iniciará o planejamento visando a próxima temporada, que terá como meta primordial, a classificação à fase mata-mata da Champions League. Por este motivo, o atacante Falcão García, do Monaco, pode ser o primeiro reforço a pintar no Mestalla. No entanto, os valencianos só querem saber mesmo é de festejar, sobretudo porque há anos eles não curtem o efervescente verão espanhol com a faixa de campeão estampada no peito.

Deixar um comentário

Menu