Reformulação à vista

A segunda virada seguida sofrida pelo Barcelona na Champions League, fez com que a diretoria do Barça perdesse a paciência tanto com o técnico Ernesto Valverde quanto com alguns atletas do elenco blaugrana. Por esta razão, uma enorme reformulação ocorrerá pelos lados do Camp Nou após o término da temporada.

Logo em seu primeiro ano à frente do Barcelona, o treinador Ernesto Valverde conduziu o conjunto barcelonista à conquista do doblete (Campeonato Espanhol + Copa do Rei), isto é, o Barça venceu as duas principais competições do futebol espanhol. Entretanto, estes títulos ficaram completamente em segundo plano por duas razões: a primeira delas, é pelo fato do Real Madrid, maior rival do Barcelona no mundo da bola, ter erguido a taça da Champions League pela terceira vez consecutiva; enquanto a segunda, foi justamente devido a trágica eliminação dos catalães nas quartas de final do torneio continental.

Obviamente, todas as desclassificações são dolorosas, mas não vergonhosas. Todavia, a eliminação do Barça frente a Roma, nas quartas de final da edição anterior da Champions League foi considerada como um dos maiores fiascos da equipe ao longo da história. Para se ter uma ideia, os catalães golearam o time da capital italiana por 4 a 1 no Camp Nou, um resultado que deixava-os em uma situação extremamente confortável no jogo de volta, visto que eles poderiam perder por até dois gols de diferença no estádio Olímpico. Mas por incrível que pareça, o Barcelona conseguiu a façanha de ser derrotado por 3 a 0 na segunda e decisiva partida contra os giallorossis, saindo da competição de maneira humilhante.

As capas de jornais expuseram claramente o que significou a eliminação do Barcelona diante da Roma na temporada passada.
As capas de jornais expuseram claramente o que significou a eliminação do Barcelona diante da Roma na edição passada da Champions League.

Embora tenha sido eliminado da forma que foi pela Roma, a diretoria do Barcelona manteve Ernesto Valverde no comando da equipe na temporada seguinte, ou seja, esta atual que está prestes a terminar. Como não poderia deixar de ser, muitos torcedores blaugranas ficaram com o pé atrás em relação ao trabalho de Valverde, porém não deixaram de incentivar o time durante os jogos. Vale ressaltar, que desde a chegada do ex-técnico do Athletic Bilbao à Catalunha em 2017, o Barça deixou de apresentar aquele futebol envolvente que estávamos acostumados a ver na época em que os catalães eram dirigidos por Frank Rijkaard, Pep Guardiola, e até mesmo, no início de Luis Enrique no Barça.

Na atualidade, muitos acreditam estar assistindo o mesmo filme da temporada passada, já que uma vez mais, além do Barcelona ter conquistado a La Liga de forma antecipada, os catalães são finalistas da Copa do Rei (enfrentarão o Valencia no dia 25), e foram eliminados vexatoriamente da Champions League, porém nesta oportunidade, para o Liverpool, após vencerem o jogo de ida por 3 a 0 no Camp, e serem atropelados pelos ingleses em Anfield por 4 a 0, lembrando que os Reds não contavam com a presença dos atacantes Mohamed Salah e Roberto Firmino, duas peças fundamentais do setor ofensivo da equipe de Jurgen Klopp.

Nem mesmo o craque Lionel Messi escapou das críticas, depois da derrota do Barcelona frente o Liverpool por 4 a 0.
Nem mesmo o craque Lionel Messi escapou das críticas depois da derrota do Barcelona frente o Liverpool por 4 a 0 em Anfield.

Diante deste cenário, a paciência da diretoria chegou literalmente ao limite, e Ernesto Valverde será o primeiro a puxar a fila assim que a temporada se encerrar, dado que o técnico é apontado como o grande responsável pelas duas pífias eliminações do Barça na Champions League. Aliás, nem mesmo a conquista da Copa do Rei no próximo dia 25, salvará o treinador de 55 anos de idade, logo, a sua demissão é mais do que certa. E pensar que em meados de fevereiro, o Barcelona renovou o contrato de Valverde, que venceria na metade deste ano, estendendo-o até junho de 2020.

No entanto, as saídas não ficarão restritas somente ao comando técnico do Barcelona, uma vez que alguns atletas certamente serão colocados na lista de transferências do clube. E quem encabeça esta lista de negociáveis, é o meia Philippe Coutinho, a contratação mais cara da história do Barça, que pelo menos até o momento, não mostrou a que veio. Na atual temporada, o brasileiro realizou 52 jogos, marcou 11 gols, e deu apenas 5 assistências pela equipe catalã, números realmente ruins para um jogador de 130 milhões de euros (R$ 578 milhões). Além do craque tupiniquim, outros nomes que deixarão o time, são Jasper Cillessen, Jeison Murillo, Thomas Vermaelen, Samuel Umtiti, Ivan Rakitic, Denis Suárez, Rafinha, Kevin-Prince Boateng e Malcom.

Se por um lado a lista de saída é grande, por outro, a lista de chegadas também será, tanto é, que o Barça promete investir pesado para trazer ao Camp Nou, jogadores como o zagueiro Matthijs de Ligt, uma das maiores revelações do futebol europeu, além do atacante Antoine Griezmann, um sonho bastante antigo do Barcelona. A propósito, o jovem volante holandês, Frenkie de Jong, já está acertado com o time catalão. Fora das quatro linhas, ao que tudo indica, os atuais bicampeões espanhóis irão atrás de Erik ten Hag, técnico que se destacou na temporada ao levar o Ajax às semifinais da Champions League. A intenção da diretoria com esse montante de mudanças, é rejuvenescer o envelhecido plantel blaugrana, e resgatar aquele envolvente estilo de jogo à equipe.

Deixar um comentário

Menu