O melancólico fado de Jorge Jesus no Benfica

Se a situação de Jorge Jesus já era crítica antes da eliminação do Benfica na Europa League, o que dizer após a queda da equipe diante do Arsenal no torneio continental. Diante deste cenário, seria surpreendente vermos o ex-treinador do Flamengo terminar a temporada na Luz.

O sucesso de Jorge Jesus em sua curta passagem por terras brasileiras deixou-o em evidência no mundo da bola, afinal, foram cinco títulos conquistados em 13 meses à frente do Flamengo – Copa Libertadores 2019, Campeonato Brasileiro 2019, Supercopa do Brasil 2020, Recopa Sul-Americana 2020 e Campeonato Carioca 2020 -, e tudo isso através de um excelente futebol praticado pelo time. Por esta razão, o Benfica não poupou esforços para repatriar o técnico de 66 anos de idade, inclusive bancando a multa de 1 milhão de euros para tirá-lo do clube carioca.

Assim, os torcedores benfiquistas se encheram de esperanças com o retorno de Jorge Jesus ao clube da Luz, embora ele já tenha comandado o rival Sporting neste período recente – de 2015 a 2018. Acontece, que as expectativas da torcida aumentaram ainda mais após os investimentos realizados pelo Benfica depois da chegada do treinador. Para se ter uma ideia, os Encarnados gastaram o total de 92,3 milhões de euros (cerca de R$ 624 milhões) somente em contratações de reforços, sendo estas, as maiores cifras despejadas pelos portugueses em uma única temporada ao longo da história.

Mas apesar dos altos gastos em contratações e da enorme expectativa criada em torno de Jorge Jesus, a caminhada do Benfica na Champions League 2020/21 foi interrompida de maneira precoce, visto que os portugueses caíram frente o PAOK – na época dirigido pelo atual treinador do Palmeiras, Abel Ferreira – por 2 a 1 em Salônica, uma duríssima derrota que selou a eliminação das Águias na fase prévia da competição.

A propósito, é importante salientar que o revés na Grécia deu-se justamente na estreia do Benfica na temporada 2020/21, o que significa que a pressão sobre Jorge Jesus teve início a partir de seu primeiro jogo no comando técnico da equipe. Desde então, a insatisfação dos benfiquistas em relação ao trabalho do treinador só vem aumentando, sobretudo em virtude do pífio futebol apresentado pelo time e, obviamente, pelo acumulo de maus resultados.

Para se ter uma ideia, os Encarnados ocupam apenas a QUARTA posição na tabela da Primeira Liga com 39 pontos em 20 jogos – 11 vitórias, 6 empates e 3 derrotas -, permanecendo a QUINZE pontos de distância do líder Sporting, e a quatro do terceiro colocado, Braga. Aliás, neste mesmo período na temporada passada, o Benfica liderava a competição com 54 pontos, somando 18 vitórias e apenas duas derrotas naquela oportunidade, quer dizer, após 20 rodadas disputadas o time de Bruno Lage contabilizava quinze pontos a mais do que o de Jorge Jesus na atual edição do campeonato.

Vale ressaltar ainda, que os pupilos de Jorge Jesus já se despediram da Taça da Liga de Portugal ao perderem do Braga por 2 a 1 nas semifinais, e na última quinta-feira (25), foram eliminados pelo Arsenal na fase 16 avos-de-final da Europa League, lembrando que em dezembro eles sucumbiram diante do Porto por 2 a 0 na decisão da Supercopa de Portugal. Certamente, o insucesso das Águias na temporada deve-se ao futebol ruim praticado pela equipe, consequência de algumas escolhas do técnico benfiquista, como por exemplo, escalar Rafa Silva no lado direito do ataque.

Isto posto, restou ao Benfica brigar apenas pelo título da Taça de Portugal, isto é, muito pouco para o time que é dono do plantel mais valioso do futebol português. Logo, a pergunta que fica é a seguinte: conseguirá Jorge Jesus sobreviver no cargo até o final da temporada? Por enquanto, a resposta é sim, em especial devido aos 10 milhões de euros referentes ao valor da multa rescisória prevista no contrato do treinador junto ao clube. De qualquer forma, não restam dúvidas de que estamos diante das últimas estrofes do melancólico fado de Jesus na Luz!

Deixar um comentário

Menu