Racing, campeão argentino 2019

A Argentina amanheceu nas cores azul e branca na manhã desta segunda-feira, afinal, o Racing Club sagrou-se campeão argentino na temporada 2018/19. Cinco anos após a sua última conquista, a Academia voltou a dar a volta olímpica pelo campeonato nacional.

Foram necessárias 24 rodadas, a penúltima da Superliga, para que os torcedores do Racing enfim voltassem a soltar o grito de campeão argentino. Isso porque com o empate diante do Tigre por 1 a 1 em San Fernando, os comandados de Eduardo Coudet chegaram aos 56 pontos ganhos na ponta da tabela do campeonato, não podendo mais ser alcançados pelo vice-colocado, Defensa y Justicia, que soma 52 pontos. Desta maneira, o time de Avellaneda garantiu uma vaga direta na fase de grupos da Copa Libertadores 2020.

Colecionando o total de 17 vitórias, 5 empates e apenas duas derrotas na Superliga, a Academia registra 77,8% de aproveitamento através desta excelente campanha. Com o montante de 42 tentos marcados e somente 15 gols sofridos, o Racing é dono tanto do melhor ataque como da melhor defesa do torneio, portanto, a conquista Albiceteste é realmente inquestionável. Vale ressaltar ainda, que o eterno ídolo racinguista, Lisandro López, mesmo no auge de seus 36 anos de idade, lidera a artilharia da competição com 18 gols.

Milhares de torcedores comemoraram no Obelisco, ponto turístico no centro de Buenos Aires, o título do Racing.
Milhares de torcedores comemoraram no Obelisco, ponto turístico situado no centro de Buenos Aires, o título do Racing, lembrando que a festa durou até altas horas da madrugada.

Ao contrário do que muitos imaginam, o título do Racing não foi mera coincidência, dado que a renovação realizada pela diretoria no departamento de futebol do clube, foi preponderante para que o conjunto de Avellaneda conquistasse o tão sonhado caneco nacional. As mudanças, começaram em janeiro do ano passado, quando o ídolo da torcida, Diego Milito, foi chamado para ser o novo diretor da equipe, enquanto o treinador Eduardo Coudet, foi contratado para assumir o comando técnico do time. A partir daquele instante, o Racing deu início ao projeto que o levou à conquista da Superliga em 2019.

Trabalhando em conjunto, Diego Milito e Eduardo Coudet decidiram investir pesado na montagem da equipe, tanto é, que o Racing desembolsou a bagatela de 4 milhões de euros, aproximadamente R$ 17,5 milhões, para trazer do Genoa, o polêmico atacante Ricardo Centurión, nesta que veio a ser a terceira passagem de Ricky pelo Albiceleste. Fazendo jus a sua fama de maluco, o ex-jogador do São Paulo foi afastado devido a problemas comportamentais.

Diego Milito esteve presente nos três títulos argentinos do Racing neste século, sendo em 2001 e 2014 como atleta, e em 2019 como dirigente do clube.
Diego Milito esteve presente nos três títulos argentinos conquistados pelo Racing neste século, sendo em 2001 e 2014 como atleta, e em 2019 como dirigente do clube.

No entanto, a dupla acertou em cheio no restante das contratações, já que excelentes reforços chegaram ao El Cilindro. Me refiro ao goleiro Gabriel Arias, aos zagueiros Leonardo Sigali, ex-Dínamo Zagreb, e Alejandro Donatti, ex-Flamengo, aos meio-campistas Nery Domínguez e Neri Cardozo, aos chilenos Eugenio Mena e Marcelo Díaz, aos atacantes Jonatan Cristaldo e Dario Cvitanich, além do meia-direita Guillermo “Pol” Fernández, um dos principais destaques do Racing na temporada.

A recuperação de atletas, como por exemplo, o lateral-direito Renzo Saraiva, reserva na época em que o Racing era comandado por Ricardo Zielinski e Diego Cocca, e também do meia Matías Zaracho, que jogava como lateral e foi deslocado de forma surpreendente para o meio-campo, certamente tiveram o dedo do diretor, trabalhando intensamente fora de campo, e do treinador, atuando firme dentro das quatro linhas. No final das contas, Zaracho, de 21 anos, esteve presente no último amistoso da seleção da Argentina contra o Marrocos, e atualmente, é apontado como uma das maiores promessas do futebol argentino.

Deste modo, o Racing conquistou o título nacional pela 18ª vez ao longo de sua gloriosa história. Todavia, o River Plate, continua sendo o clube mais vitorioso do futebol argentino com 36 canecos no currículo, seguido de perto pelo Boca Juniors, que contabiliza 32 troféus. Já o Independiente, eterno rival dos racinguistas, aparece logo atrás da Academia com 16 taças, à frente de San Lorenzo (15), Vélez Sarsfield (10), Alumni (10), Estudiantes (6), Newell´s Old Boys (6), Huracán (5), entre outros. A última rodada da Superliga será realizada no próximo domingo (07), e por incrível que pareça, o Racing enfrentará o Defensa y Justicia no estádio El Cilindro, confronto este, que reunirá o líder e o vice-líder do campeonato.

 

 

 

Deixar um comentário

Menu