Três anos depois. . .

A temporada 2015/16 foi realmente memorável aos torcedores do Leicester, afinal, nela os Foxes surpreenderam o mundo ao erguerem o inédito caneco da Premier League. Três anos depois desta incrível façanha, a equipe do leste da Inglaterra está praticamente toda remodelada, com apenas alguns remanescentes da gloriosa época em que o time era comandado por Claudio Ranieri.

Quem seria capaz de imaginar que o Leicester, modesto clube situado no condado de Leicestershire, daria a volta olímpica pela Premier League em 2016? Pois é, o excelente trabalho realizado por Claudio Ranieri, levou os Foxes a conquistarem o título da liga mais disputada do planeta, superando os poderosos Manchester City, Liverpool, Chelsea, Tottenham, Manchester United e Arsenal, times que compõe o famoso grupo chamado de Big Six. Aliás, vale destacar que o treinador italiano vivia um momento de baixa em sua carreira, visto que ele já havia dirigido grandes equipes como Valencia, Atlético Madrid, Chelsea, Juventus, Roma, Internazionale e Monaco, portanto o sucesso de Ranieri à frente do conjunto inglês era completamente descartado.

No entanto, mesmo com um plantel composto por jogadores menos badalados à sua disposição, Claudio Ranieri conseguiu montar uma equipe extremamente competitiva, tanto é, que o Leicester sagrou-se campeão da Premier League naquela oportunidade. A alternativa encontrada pelo comandante italiano, foi armar o time no tradicional 4-4-2, com duas linhas de quatro formadas por atletas ótimos defensivamente, enquanto na frente, dois velocistas aproveitavam os quase sempre fatais contra-ataques. Foi exatamente desta maneira que os Foxes atuaram durante toda a temporada 2015/16. Confira abaixo, como jogava o famoso Leicester, de Ranieri, aquele que odiava ter a bola aos seus pés:

Leicester 2015/16: Schmeichel; Simpson, Huth, Morgan e Fuchs; Mahrez, Kanté, Drinkwater e Albrighton; Okazaki e Vardy. Técnico: Claudio Ranieri.
Leicester 2015/16: Schmeichel; Simpson, Morgan, Huth e Fuchs; Mahrez, Drinkwater, Kanté e Albrighton; Vardy e Okazaki. Técnico: Claudio Ranieri.

Como não poderia deixar de ser, o inédito título inglês conquistado pelo Leicester fez com que grandes clubes ficassem interessados em seus jogadores, algo similar com o que ocorreu com o Monaco, campeão francês em 2017. A propósito, é comum vermos times com menor condições financeiras sofrerem enormes desmanches após se destacarem em uma determinada temporada, sobretudo porque os atletas destas equipes vislumbram alçar vôos mais altos em suas carreiras, dificultando assim, as suas chances de permanência nestas agremiações.

Por esta razão, podemos considerar que o desmanche começou tarde nos Foxes, pois apenas o volante N’Golo Kanté e o meia-esquerda Jeffrey Schlupp deixaram a equipe após a conquista da Premier League. De resto, todo o elenco campeão em 2016, permaneceu no clube. Entretanto, o que mais chamou a atenção na primeira temporada pós título inglês, foi a inusitada demissão do treinador Claudio Ranieri, um dia depois do Leicester ser derrotado pelo Sevilla, por 2 a 1, em partida válida pelo jogo de ida das oitavas de final da Champions League.

Embora tenha conquistado o título da Premier League pelo Leicester em 2016, a passagem de Claudio Ranieri pelos Foxes foi curta.
Embora tenha conquistado o título da Premier League pelo Leicester em 2016, a passagem de Claudio Ranieri pelos Foxes foi curta, durando somente 1 ano e sete meses. Neste período, o italiano comandou a equipe em 81 oportunidades (36 V – 21 E – 24 D).

E o processo de desmanche do Leicester prosseguiu após a inusitada demissão de Claudio Ranieri, já que na temporada seguinte (2017/18), o volante Danny Drinkwater transferiu-se ao Chelsea. Posteriormente (2018/19), foram as vezes de Riyad Mahrez, Leonardo Ulloa e Robert Huth deixarem o clube. Para finalizar esta lista de saídas, recentemente os Foxes optaram em não renovar os contratos de Danny Simpson e Shinji Okazaki, lembrando que o japonês acertou a sua ida ao Málaga, ao passo que o lateral-direito de 32 anos de idade, ainda segue com o futuro indefinido.

Deste modo, dos 28 atletas que fizeram parte da conquista da Premier League 2015/16 pelo Leicester, apenas dez continuam no clube, me refiro aos jogadores Kasper Schmeichel, Wes Morgan, Christian Fuchs, Ben Chillwell, Daniel Amartey, Andy King, Marc Albrighton, Demarai Gray e Jamie Vardy. Até mesmo o comando técnico dos Foxes segue sofrendo com as constantes mudanças, pois desde a demissão de Claudio Ranieri, cinco técnicos estiveram à frente da equipe, trata-se de Craig Shakespeare, Michael Appleton, Claude Puel, a dupla Mike Stowell e Adam Sadler, e agora, o ex-comandante do Celtic, Brendan Rodgers.

Mas no final das contas, a mudança mais drástica acabou acontecendo na presidência do Leicester, pois um trágico acidente aéreo acabou causando a morte de Vichai Srivaddhanaprabha, o dono do clube, em outubro de 2018. Com isso, o seu filho Aiyawatt Srivaddhanaprabha, tornou-se o novo mandatário da equipe inglesa. O objetivo principal do Leicester na próxima edição da Premier League, é terminar entre os seis primeiros colocados da tabela, para garantir uma vaga na Europa League. A estreia dos comandados de Brendan Rodgers na liga, está marcada para o dia 11/08, contra o Wolverhampton, no King Power Stadium, nesta que pode ser a última temporada de Wes Morgan, Christian Fuchs e Andy King com a camisa dos Foxes. Aguardemos!

 

Deixar um comentário

Menu