Lyon encerra 2020 na liderança da Ligue 1

Semifinalista da edição anterior da Champions League, o Lyon continua surpreendendo na atual temporada, não à toa, a equipe da Gália encerrou o ano de 2020 no topo da tabela da Ligue 1.

Quando pensamos no futebol francês, logo nos vem à mente o poderosíssimo PSG, afinal, os parisienses ergueram o caneco da Ligue 1 sete vezes nos últimos oito anos. Em contrapartida, as coisas mudaram de rumo nesta temporada, visto que o Lyon passará o réveillon na liderança do campeonato ao lado do Lille – ambos com 36 pontos -, porém o OL supera o adversário nos critérios de desempate. Pois é, e tudo isso graças ao excelente trabalho desenvolvido pela diretoria, e especialmente pelo treinador Rudi Garcia à frente do conjunto leonino.

Vale ressaltar, que o Lyon despediu-se da temporada passada na sétima posição da Ligue 1, mas é importante salientar que este desempenho abaixo do esperado deu-se em função do péssimo início de campeonato do time que na época era comandado pelo técnico Sylvinho. Aliás, sob a batuta do treinador brasileiro, os Gones somaram míseros 9 pontos nas nove primeiras rodadas da competição, alcançando assim, a sua pior marca desde a edição 1995/96 do torneio. Deste modo, fica evidente porque a passagem do novato treinador pelo clube gaulês durou apenas quatro meses.

Traumatizados em razão do deplorável trabalho realizado por Sylvinho, os torcedores leoninos esperavam a vinda de um treinador renomado para recolocar a equipe novamente no caminho das vitórias. E foi exatamente por este motivo que o presidente do Lyon, Jean-Michel Aulas, e o diretor de futebol do clube, Juninho, foram tão criticados pela torcida após anunciarem que Rudi Garcia seria o novo comandante da equipe.

Contudo, a verdade é que os questionamentos por parte dos torcedores se davam em decorrência das decepcionantes passagens de Rudi Garcia por Roma e Olympique Marseille. Todavia, embora pressionado, o técnico de 56 anos de idade conseguiu dar a volta por cima no Lyon, tanto é, que os Gones saltaram da 14ª para a 7ª posição na tabela da Ligue 1 e, de quebra, foram semifinalistas da Champions League e vice-campeões da Copa da Liga Francesa, na conturbada temporada 2019/20.

Como não poderia deixar de ser, a expectativa dos torcedores do Lyon aumentou demasiadamente em relação a quebra do longo jejum sem erguer o caneco da Ligue 1 na temporada 2020/21, sobretudo por conta das vindas de Mattia De Sciglio, Lucas Paquetá e Karl Toko Ekambi, além das permanências tanto do meio-campista Houssem Aouar quanto do atacante Memphis Depay na última janela de transferências, tendo em vista o enorme assédio de Juventus e Barcelona pela valiosa dupla de atletas.

Desta maneira, o Lyon apresentou-se ainda mais forte para a disputa da temporada 2020/21, e uma prova disso é o meia Lucas Paquetá. Contratado junto ao Milan pela bagatela de 20 milhões de euros, o ex-jogador do Flamengo terminou o ano sendo apontado como o grande destaque do clube do Ródano, fazendo valer cada centavo investido em sua negociação. A propósito, com a chegada de Paquetá aumentaram para SEIS o número de brasileiros no elenco leonino, que por sua vez, já contava com Marcelo, Thiago Mendes, Bruno Guimarães, Jean Lucas e Camilo.

Assim, compreendemos melhor porque os pupilos de Rudi Garcia permanecem invictos há exatos 14 jogos, sofreram uma única derrota na temporada, e alcançaram a liderança da Ligue 1. Por fim, o PSG, principal candidato ao caneco francês, trocou recentemente de treinador ao demitir Thomas Tuchel para contratar Mauricio Pochettino, o que significa que os parisienses começarão um trabalho do zero em pleno mês de janeiro. Logo, não restam dúvidas de que o Lyon nunca esteve tão próximo de acabar com a seca de títulos desde a sua última conquista, como está no momento. A ver!

Deixar um comentário

Menu