Real Sociedad, campeã da Copa do Rei após 34 anos

O clássico basco mais emblemático da história terminou com a vitória da Real Sociedad sobre o Athletic Bilbao por 1 a 0 em La Cartuja, resultado magro porém suficiente para que a Erreala voltasse da Andaluzia com o tão sonhado título da Copa do Rei na bagagem.

Depois de mais de um ano de atraso, enfim a decisão da edição anterior da Copa do Rei foi realizada no estádio Olímpico de La Cartuja, que infelizmente não teve a presença de público como almejavam os organizadores. A propósito, a espera pela inédita final basca foi tão longa, que jogadores das duas equipes chegaram a se aposentar neste período, como são os casos de David Zurutuza, ex-meia da Real Socoedad, e Aritz Aduriz, ex-atacante do Athletic Bilbao – ambos penduraram as chuteiras após o término da temporada 2020/21.

Ainda assim, não restam dúvidas de que a Real Sociedad foi o time mais prejudicado em função da demora para a disputa da finalíssima da Copa do Rei 2019/20, já que a Erreala vivia um melhor momento no final da última temporada. Ademais, é preciso destacar que o conjunto de San Sebástian perdeu algumas peças importantes do elenco, tais como Diego Llorente, Rubén Pardo, Martin Ødegaard e William José, diferentemente do Athletic Bilbao, que não conta mais com os veteranos Mikel San José e Beñat Etxebarria, pois os dois não tiveram os contratos renovados.

Vale ressaltar ainda, que o Athletic Bilbao contratou Marcelino García Toral no início deste ano, ou seja, uma troca que beneficiou os Leones, tendo em vista que o ex-treinador do time, Gaizka Garitano, sofria com os altos e baixos da equipe. Pois é, e a mudança no comando técnico surtiu o efeito esperado, pois sob a batuta de Marcelino, os bascos faturaram o título da Supercopa da Espanha ao superarem o Barcelona por 3 a 2 na final.

Além disso, não esqueçamos que Marcelino García Toral realizou um excelente trabalho à frente do Valencia, conduzindo os Morcegos ao título da Copa do Rei na temporada 2018/19, o que significa que o treinador do Athletic Bilbao brigava pelo bicampeonato do torneio. Aliás, se considerarmos o fato de que os Leones disputarão outra final daqui 13 dias – contra o Barcelona -, seria correto afirmar que Marcelino tinha chances de sagrar-se tricampeão da competição.

Por outro lado, a Real Sociedad desembarcou em Sevilha com a confiança em baixa após o duríssimo revés diante do Barcelona por 6 a 1 em pleno estádio Anoeta, um resultado que aumentou até mesmo a pressão sobre o treinador Imanol Alguacil, lembrando que a Erreala iniciou bem a sua caminhada na temporada 2020/21, colecionando apenas uma derrota nas primeiras 13 rodadas da LaLiga. Consequentemente, os bascos chegaram a ficar na vice-colocação do campeonato, porém devido a queda de rendimento no segundo turno, hoje eles ocupam a 5ª posição da tabela.

Contudo, todo o favoritismo do Athletic Bilbao acabou assim que a bola começou a rolar em La Cartuja, e diminuiu ainda mais depois que Mikel Oyarzabal abriu o placar aos 18 minutos do segundo tempo, através de uma cobrança de pênalti, que por ironia do destino, foi cometido pelo ex-zagueiro da Real Sociedad, Iñigo Martínez. E no final venceu o melhor em campo, visto que os comandados de Imanol Alguacil dominaram o jogo em quase todas as estatísticas, como posse de bola (58% a 43%), finalizações (6 a 5), trocas de passes (453 a 323), passes certos (345 a 220) e desarmes (12 a 8).

Deste modo, a Real Sociedad encerrou um longo jejum de 34 anos sem títulos ao faturar a Copa do Rei pela terceira vez na história, sendo que esta foi a mais emblemática dentre todas as conquistas, afinal, ela deu-se diante de seu eterno rival, naquele que foi considerado o maior dérbi basco de todos os tempos. Por isso, a geração formada por Zubeldia, Mikel Merino, David Silva, Portu e Oyarzabal ficará marcada eternamente na memória dos torcedores azuis e brancos, tal qual a de Arconada, Satrustegui, López Ufarte, Bakero e Górriz ficou há mais de três décadas.

Deixar um comentário

Menu