Newcastle busca alçar voos mais altos na temporada 2022/23

Apesar da tímida participação no mercado de transferências, o Newcastle, de Eddie Howe, se mostra com totais condições de lutar pelo G-6 da Premier League na temporada que está por vir.

“Dinheiro não traz felicidade”, este lema tão falado pelas pessoas no dia a dia, não se aplica ao futebol, e o Newcastle serve como parâmetro para justificar esta tese, visto que o clube de Tyneside ganhou forças para escapar da degola na temporada passada graças a dinheirama proveniente do Fundo de Investimento Público da Arábia Saudita, que abriu as portas do St. Jame’s Park para as vindas de Kieran Trippier, Matt Targett, Dan Burn, Bruno Guimarães e Chris Wood.

Pois é, e com toda a fortuna do governo saudita à disposição, a torcida do Newcastle esperava vê-lo agitar o mercado da bola neste meio de ano, algo que pelo menos até o momento não aconteceu, a julgar pelos “míseros” 72,6 milhões de euros gastos pelo clube para trazer Nick Pope, Sven Botman, e para assegurar a compra definitiva de Matt Targett junto ao Aston Villa, lembrando que a janela de transferências do futebol inglês se encerrará no primeiro dia de setembro.

Vale ressaltar que Hugo Ekitike, o principal alvo dos Magpies nesta janela, acabou acertando a sua ida ao Paris Saint-Germain, à medida que o plano B de Eddie Howe, Sekou Mara, transferiu-se ao Southampton, isto é, negociações que frustraram – e muito – o treinador do Newcastle que, deste modo, precisará encontrar outras alternativas ao ataque.

Mas apesar da escassez de reforços, já está sendo possível notar a evolução do Newcastle neste período de pré-temporada. Embora saibamos que é errado tirar conclusões a partir de jogos testes, é nítido que os comandados de Eddie Howe apresentaram maior intensidade nos amistosos disputados na Áustria, em especial no que diz respeito a marcação pressão na saída de bola do adversário.

Outro ponto não menos importante se refere ao poderio do Newcastle em jogadas de bolas paradas e imposição física, sobretudo porque o time se tornou mais alto com Sven Botman (1,95m), que juntou-se a Dan Burn (2,01m), Chris Wood (1,91m), Jamaal Lascelles (1,88m), Fabian Schar (1,86m), Joelinton (1,86m) e Jonjo Shelvey (1,84m). Por sinal, aumentar a capacidade atlética da equipe era uma das prioridades de Eddie Howe desde a sua chegada ao St. Jame’s Park.

Contudo, a principal mudança introduzida por Eddie Howe é em relação a posse de bola, já que o Newcastle vem ficando mais tempo com a redonda nos pés devido ao seu novo estilo dominante de jogo. Para se ter uma ideia, até o goleiro Nick Pope está sendo constantemente acionado durante as partidas, ao passo que o volante Bruno Guimarães é o encarregado de iniciar a construção das jogadas desde a defesa e, detalhe, nunca por meio de ligações diretas.

Por fim, a tendência é que o Newcastle atue no 4-3-3, com: Nick Pope; Kieran Trippier, Dan Burn, Sven Botman e Matt Target; Bruno Guimarães, Joe Willock e Joelinton; Allan Saint-Maximin, Callum Wilson e Miguel Almirón; tendo Fabian Schar, Jonjo Shelvey, Sean Longstaff, Ryan Fraser e Chris Wood, como opções no banco de reservas. Ou seja, um plantel capaz de brigar na parte de cima da tabela da Premier League, algo que há décadas não se via em Tyneside!

Deixar um comentário

Menu